Nossas Nações Irmãs

Autora: Lua Corrêa

Lusofonia é a comunidade de povos e nações que falam a língua portuguesa, mas como ela surgiu e qual o impacto que isso causa em nosso cotidiano?

Formado por 9 países, cinco comunidades e mais dezenas de comunidades menores, nós lusófonos somamos mais de 300 milhões de habitantes espalhados pelos quatro continentes do planeta Terra, com isso podemos afirmar que somos uma parcela significativa da população mundial. A CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) é a organização internacional representativa dos países lusófonos, que tem como objetivo o aprofundamento da amizade e cooperação entre seus membros.

E como tudo isso surgiu? A resposta mais óbvia e direta seria a colonização em comum, mas por que os países simplesmente não abandonaram a língua portuguesa no momento em que conquistaram suas independências e voltaram às suas próprias raízes linguísticas? Tomando como o exemplo o Brasil, por que não abraçamos o idioma indígena e todos os seus dialetos?

O português (língua) é uma das melhores coisas que os tugas nos deixaram porque a língua não é a prova de nada mais, senão um instrumento para os homens se relacionarem uns com os outros, é um instrumento, um meio para falar, para exprimir as realidades da vida e do mundo. (Cabral,1974:101)

O que Cabral nos traz é que a língua portuguesa, no momento da independência tornou-se uma ferramenta de união, tanto entre os povos nativos quanto aos povos escravizados trazidos de outros lugares, para que assim pudessem lutar. Apropriada e transformada pelos povos colonizados passa a ser um símbolo de insubordinação e rebeldia perante aos que usurparam, roubaram e converteram aqueles que aqui existiam antes mesmo das grandes navegações e “descobertas”. Ao optarem pelo português, os movimentos anticoloniais reconhecem-se assim como uma unidade política e cultural, união essa que dificilmente seria alcançada de outra forma.

E de que forma essa unifição pode ser benéfica para nós nos dias de hoje? Pra além dos aspectos comerciais como o turismo facilitado, ao se visitar um país de mesma língua, da compra de livros e outros produtos de cunho cultural, a lusofonia é o cimento que une todos os falantes da língua portuguesa, é muito mais do que falar uma só língua, é partilhar uma cultura de certo modo. Somos uma geração que quer abrir diálogo para entender os impactos de uma colonização em comum, pluralizando nossas culturas, abrindo espaço para questionamentos extremamente valiosos sobre os aspectos econômicos e políticos. Nos questionando como olhamos para o mundo e como ele olha para nós. Quais as marcas que nos foram deixadas e como cada nação é capaz, ou não, de lidar com isso. Como está cada país pós- colônia? Acima de tudo a lusofonia é um grande movimento de confraternização entre pessoas.

CABRAL, Amílcar (1971), “A cultura e o combate pela independência”: Lisboa Seara Nova, Junho.

COUTO, Mia (2001), “A língua portuguesa em Moçambique”, texto publicado na antologia galega Do Músculo da Boca. Santiago de Compostela: Ed. Encontro Galego no Mundo, [Online], disponível em: http://www.ciberduvidas.com/antologia.php?rid=709 [Consultado em: 04.2012]. FONSECA, Ana Margarida (2013),Em português nos entendemos? Lusofonia, literatura-mundo e as derivas da escrita”, texto publicado na OpenEdition Jornauls, [Online], disponível em: https://journals.openedition.org/configuracoes/2041 [Consultado em: 02.2021]. SACRAMENTO, José. “Lusofonia em 2 minutos – Planetopédia”. Youtube, 2021, disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=GdMlYgaJ1hs [Consultado em: 02.2021] RIBOLDI, Bruna. “Criolo fala o que pensa da lusofonia em entrevista exclusiva”. Youtube, 2016, disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=J1YW5k8xRws&t=310s [Consultado em: 02.2021]

Rolar para cima